Filed Under:  Tec News

WhatsApp lança Canais, que vão agregar número ilimitado de pessoas

Novidade levanta alerta para disseminação de desinformação e conteúdo violento

O WhatsApp lançou nesta quinta-feira (8) um novo recurso chamado Canais, similar à ferramenta já existente no Telegram . A novidade permite um número ilimitado de seguidores, que poderão acompanhar atualizações de governos, celebridades, entidades e times de futebol, por exemplo.

Com a chegada do recurso, o WhatsApp passará a ter uma aba chamada “Atualizações”. Nela, aparecerão os Canais e os Status, transformando essa tela em uma espécie de feed de rede social. O restante do aplicativo continuará o mesmo, mantendo mensagens privadas, grupos, comunidades e ligações.

Nos Canais, os administradores podem enviar textos, fotos, vídeos, figurinhas e enquetes. O número de telefone tanto dos donos dos Canais quanto dos seguidores não são revelados aos demais participantes. As mensagens enviadas em Canais não são criptografadas de ponta a ponta, e serão excluídas após 30 dias.

Qualquer usuário do WhatsApp poderá criar um Canal. Ao fazer isso, ele pode escolher se este Canal poderá ser descoberto por outros usuários através da pesquisa de termos (como acontece em redes sociais), ou se estará disponível apenas através de link de convite. Também vai dar para escolher se os conteúdos poderão ser encaminhados e se capturas de tela poderão ser feitas.

O WhatsApp também afirma que poderá permitir que os donos de Canais utilizem os pagamentos do aplicativo para criarem um negócio relacionado ao conteúdo. Além disso, haverá a possibilidade de criadores de conteúdo pagarem para seus

Canais serem patrocinados nas buscas.

“A criação dos canais é um grande passo que estamos dando e um pedido que nossos usuários têm feito há anos”, anunciou o WhatsApp.

Por enquanto, a novidade será testada na Colômbia e em Singapura. A empresa afirma que os Canais chegarão a outros países nos próximos meses. Ainda não há data de lançamento no Brasil.

Desinformação e discurso violento

Quando as Comunidades foram lançadas globalmente no WhatsApp, no ano passado, o Brasil estava em período eleitoral. Na ocasião, o recurso foi apontado como um potencial espalhador de desinformação, já que poderia agregar milhares de membros em grupos, permitindo que mensagens falsas se disseminassem mais rápido na plataforma, ameaçando a democracia.

Na época, portanto, o WhatsApp assumiu um compromisso com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de lançar a novidade no Brasil somente após o período eleitoral – as Comunidades chegaram ao país em janeiro .

Agora, os Canais têm potencial ainda maior de se tornarem espalhadores de desinformação, já que não há limites no número de seguidores. Um Canal voltado para disseminar desinformação ou discurso violento, por exemplo, poderá alcançar milhões de pessoas, que poderão rapidamente encaminhar conteúdos para outras tantas.

Moderação de conteúdo

Atualmente, não há moderação no WhatsApp porque os conteúdos são criptografos de ponta a ponta, ou seja, a Meta, dona do aplicativo, não tem acesso às mensagens, fotos e vídeos divulgados. Nos Canais, porém, os conteúdos serão públicos e não criptografados, abrindo espaço para moderação de conteúdo.

Diante disso, o WhatsApp afirma que vai usar “ferramentas automatizadas, revisão manual e denúncias de usuários” para detectar possíveis abusos nos Canais. Por enquanto, o mensageiro estipulou quatro regras que devem ser cumpridas pelos donos de Canais:

  • Não compartilhar conteúdos ilegais, como material de abuso secual infantil ou conteúdos que apoiam organizações terroristas ou outros crimes, além de não compartilhar conteúdos sem possuir direitos autorais;
  • Não compartilhar conteúdos que podem causar danos na vida real, como incitação ao ódio e violência ou promoção ao suicídio ou automutilação. Também são proibidos conteúdos que incitam a exploração de pessoas, como os relacionados a tráfico humano e exploração sexual;
  • Não compartilhar golpes e fraudes;
  • Não publicar pornografia ou imagens excessivamente violentas.

Por enquanto, não há uma regra específica contra a desinformação, embora alguns tipos de desinformação possam se encaixar na categoria de conteúdos que causam danos na vida real, como informações falsas sobre saúde.

De acordo com o WhatsApp, se uma ou mais dessas quatro regras forem descumpridas, penalidades podem ser aplicadas, como suspensão das mensagens de um Canal, revogação do link de convite de um Canal, suspensão completa de um Canal e, em último caso, banimento dos adminsitradores.


Unopar

Comentários dos leitores (0)





Espaço Laser